Á margem de nós

E-mail Imprimir PDF
Avaliação do Usuário: / 0
PiorMelhor 

Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos. (Fernando Pessoa).

De acordo com Nathaniel Branden, Ph.D. em Psicologia, “as mentiras mais devastadoras para a nossa auto-estima não são as que contamos, mas as que vivemos.”

De fato, quando a nossa realidade  e a nossa essência, aquilo que somos ou estamos trabalhando duro para ser, é distorcida, estamos sem querer vivendo uma mentira, uma ilusão ou fantasia, um auto-engano. Tão difícil quanto aceitar a realidade da sensação de estar vivendo uma “coisa equivocada”, é entender a autenticidade. Mais difícil ainda é ser realmente autêntica, e quando finalmente conseguimos somos bombardeadas, pois fugimos do padrão, do comportamento esperado pela nossa “tribo”.

Autenticidade é a característica de quem é autêntico, íntegro, legítimo, verdadeiro, sincero. Nesse sentido, você deixa de ser autêntico quando age diferente do que sua consciência manda ou deixa-se influenciar pelo comportamento alheio; abre mão de suas convicções para ser aceito em determinado grupo; vive uma vida que não é sua acreditando mais nos outros do que em si mesmo; preocupa-se muito com os que outros pensam a seu respeito e principalmente fala uma coisa e faz outra.

Achou pouco? Dá só uma espiadinha ao seu redor,  repare nas pessoas que você convive, e vai achar pelo menos uma que vive assim, falando uma coisa e fazendo outra bem diferente.

Ser autêntico exige uma luta constante consigo mesmo, não é fácil sair de azul, quando todos dizem que você deve usar verde. Ou mudar de comportamento porque hoje você resolveu colocar uma meta radical para você, e escutar que você está neurótica.

As pessoas precisam viver em grupo, e isto anula o entendimento da autenticidade. Desde pequenas, aprendem a sorrir para quem não gostam, a negar o que sentem,  a rejeitar alguns aspectos da sua condição em vez de tentar entendê-los. 

Infelizmente, viver uma vida anônima, não tem nenhum glamour. Para atender aos anseios da sociedade as pessoas representam o tempo todo e procuram fazer de tudo, em troca de alguns minutos de fama, exceto aquilo que a consciência e o seu coração mandam. O homem só é sincero sozinho, dizia Emerson, pensador norte-americano.

Por essas e outras razões, é bem mais fácil falar de autenticidade do que adquiri-la, o que soa um pouco contraditório.

Em nome da sobrevivência, o ser humano tende a se fingir de morto, a sufocar a dor, bajular, dissimular, exaltar qualidades alheias e, o pior, perder a fé em si mesmo.

Entretanto, ser autêntico não significa revelar todos os segredos, entregar-se de corpo e alma numa relação, emitir opiniões controvertidas, dizer abestalhadamente tudo o que lhe dá na telha, disparar críticas infundadas, abrir mão das suas convicções. Autenticidade nos dias de hoje tem também a ver com elegância.

Pessoas autênticas são muitas vezes confundidas como antipáticas, frias e indiferentes. Aí entra a inveja dos que querem ser autênticos e não conseguem. Mas se você observar melhor, verá que os autênticos são mais respeitados, são mais amigos e transmitem mais confiança porque se pode contar com eles sem o perigo da traição, da mentira e da hipocrisia.

Por fim, lembre-se: pessoas autênticas valorizam a si mesmo e são mais autoconfiantes. Se você consegue expressar seus sentimentos com sinceridade e sutileza ao mesmo tempo, sem ferir os sentimentos alheios, você está no caminho certo. Ninguém conquista elevado nível de autenticidade sem antes compreender a si mesmo e, depois, o universo ao seu redor.

Jean-Sartre, filósofo francês, disse que o desejo de adquirir a autenticidade nada mais é do que o desejo de compreendê-la melhor e não a perder.

Está com vontade de vestir roxo hoje? Vai fundo!

 

alt

 

comentários (11)add comment

Leticia comentou:

As pessoas confundem autenticidade com grosseria. Concordo com vc, elegancia anda junto com autenticidade. Mas a maiori vive de aparencia e de convencóes pré-estabelecidas. Diria mais, são bandos e bandos , fabricados pela sociedade, que tem o mesmo carro, a mesma griffe, e que se acham autenticas por usarem coisas que elas julgam exclusivas. Muito bem colocado seu post.
29/08/2011

Lucas comentou:

kkkk...que tatoo é esta? adorei, com certeza esta não tem medo de ser autentica!
29/08/2011

juliana comentou:

Muito bom esse post!vc escreve muito bem!!bjos e boa semana
29/08/2011

Mayla comentou:

Muito bom! Adorei!!!
O mais "phoda" é a arte de apertar o botão!
lov u
29/08/2011

JP comentou:

Sempre que poso passeio por aqui. É sempre muito bom pois são temas que nos ajudam a pensar. Pensar caiu de moda. Como sou fora de moda ou de outra forma, tenho a minha moda, gosto de pensar. Este tema é interessante e profundo. Ser autentico(a) requer frieza, tranquilidade, perseverança, foco, não abrir mão de seus ideiais por mais confusos que possam parecer. Vejo que as pessoas tendem a se moldar à moda, é mais facil, é mais cool, a galera gosta. Fá, VC pra variar mandou muito bem...... Agora, que tatoo???? Se a moda pega vamos ter que limitar a 140 caracteres............KKKKK
29/08/2011

Dani comentou:

Amei!!! Nossa a minha cara...na verdade é o que penso. Me identifiquei mesmo! Na parte das pessoas confundirem autenticidade com antipatia... Perfeito! Não ligo mesmo p o que os outros pensam! Minha vida, minhas escolhas!
29/08/2011

Telma comentou:

Amei!!! Até porque, na medida do possível - e sempre tem essa tal medida, sempre busquei a autenticidade. Como desta forma não podemos agradar aos gregos e aos troianos, temos que pagar o preço. Mas é sempre mais "barato" e gratificante do que abrir mão de quem você é. O amor citado na tatoo, tem que começar por nós mesmos.
29/08/2011

Fabiana Lara comentou:

Adorei o texto Fátima!! Autenticidade é bom, mas são poucas pessoas que encontramos assim, muitas são cópias de outros padroes formados pela sociedade!!! Bjooo
30/08/2011

Giana comentou:

Exatamente isso, mesmo porque ser autêntico em certas horas também exige senso crítico além do normal....hoje ser uma pessoa honesta de coração bom é uma virtude, o que deveria ser obrigação e ser autêntico não significa ser ridiculamente autoritário e mal educado, vai além disso....Significa ser você até nas horas que tem que dizer Não!!!!
30/08/2011

juarez comentou:

autenticidade não vem ligada ao orgulho. Ser ou não ser e uma questão. Atras e onde não consigo ver. Mas o espelho me da posição de retrovisor. Onde esta o meu cuidado? Na franca ordem dos fatos , onde um coração singelo revela o meu Eu ............Prove do bom......... que o bem espalha........Ou espelha....... isso e autentico....
15/10/2011

Giana comentou:

Amei seus últimos posts, dizem tanto da humanidade hoje, que está em pleno século XXI com pensamentos "pobres" e mesquinhos do século passado.
31/07/2013

Escreva seu comentário
menor | maior

busy

Os mais lidos

  • Mulheres impactantes
    Final de semana passado fui a São Paulo e assisti o espetáculo Evita. Na volta parei para um ca...
  • Viciada em lingerie
    Sou viciada em lingerie. Escolher a lingerie, faz tão parte de meu dia como faz parte tomar t...
  • Top 10 Portugal
       Top 10 Portugal Como prometido um resumo dos lugares mais bacanas da minha passagem ...
  • Avental sujo de ovo
    Quando penso em minha mãe, me vem a letra da música, que as freiras do Colégio São José onde...
  • Á margem de nós
    Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e ...
  • Unhas, desisto, ser loira não desisto nunca!
    Voces lembram que eu coloquei unhas postiças? Pois é, fiquei exatamente uma semana com elas. ...
  • Look da balada
    O friozinho deu uma trégua, e a noite de ontém na Fatto, casa bárbara, idealizada com esmero p...

Últimos comentários

Você está aqui: Comportamento Á margem de nós