A mulher mortal

E-mail Imprimir PDF
Avaliação do Usuário: / 0
PiorMelhor 

Acho que todo dia devíamos olhar no espelho e sentir por um segundo como somos especiais. Mas a vida vai passando e vamos esquecendo de nos fazer estes pequenos carinhos. Saindo da rotina, trago hoje  um texto inédito e belo, do meu amigo Valter Nunes Corrêa. Um carinho, um pouco de poesia nesta tarde quente!

 

A MULHER MORTAL
 
Ela, côncava de ternura para abrigá-lo, pende o corpo para o lado em que a luz os divide em metades. Obscura, mas não de todo, apenas nos limites em que o conduz a tocá-la, permite-se reconhecer no olhar faminto dele, com o mesmo cuidado com que se desfaz do trançado nos cabelos, como se cada fio fosse o último elo entre suas vidas.

Ele, o torso retorcido entre sombras, alerta como um animal cauteloso, sente o sangue fluir, a contração dos músculos, o salivar. Pulsa e absorve toda energia à deriva.

O olhar de ambos antes do tato. O diálogo profano de seus anjos seduzidos pelos eflúvios que vem - silêncio em escala de sussurros, o risco do abismo vazio entre eles, a fatalidade prometida em cada gesto.

Os lençóis, subornados, selam pactos irreversíveis, cúmplices dos fragmentos e despojos. Agora palco, depois cortina.

Ela estende os braços, primeiro. É como o acolhe, cede, renuncia os próprios mistérios.

Identificado, o gesto traduzido permite o rito. Não há mais território, a razão rende-se ao ímpeto, a dominância à tolerância, a vaidade cega-se à avidez. São livres para seus instintos e íntimos. Primitivos para ignorar a ordem do universo humano, possuídos pelo caos.

Brota de seus corpos a vida, sêmen ejaculado de suas bocas tantas. Outra vida! Princípio que a tornará santificada, concebida mulher, um dia desgraçada por sê-la, ainda sentenciada à dor que ele suportaria por ela.

Não lhes resta oração tão possível quanto repousarem as cabeças nos ombros, cingir o copo, deslizar os dedos, tocar os lábios na superfície mais sensível de suas fragilidades.

Serão breves enquanto únicos, por isso, arredios à eternidade. Viverão de instantes, de buscas por um fragmento que os legitime.

 
alt

comentários (10)add comment

Lucia comentou:

Lindo texto. Sem duvida um carinho na minha tarde!
beijinho Fatima
30/08/2011

Lucas comentou:

Ainda bem que tem caras como o amigo Valter, que tem o dom das palavras.
Vou roubartilhar!
30/08/2011

Simone comentou:

Fatima, porque alguns homens insistem em não mostrarem o quanto são sensiveis? vc deveria escrever um post sobre isto. Parabens Valter, amei seu texto!
30/08/2011

Simone Nesi Machado comentou:

Lindo, A M E I !smilies/wink.gif
30/08/2011

Telma comentou:

Lindo! De extrema sensibilidade.
31/08/2011

Giana comentou:

Lindo!!!!!!!!!!!!!! Adorei cada linha!
31/08/2011

Valter Nunes Correa comentou:

7 de setembro. Hoje talvez seja um dia apropriado para responder ao questionamento da Simone.

O homem nasceu com responsabilidades sobre o tempo e o espaço, diferentes, em relação à mulher. Precisa conquistar e proteger para preservar a vida, que é dádiva delas. Sobreviver ao tempo e preservar o seu lugar.

Na estrutura masculina não existe espaço para fragilidades porque e por esse calcanhar que ele é derrotado. Fazer a guerra exige estar alerta, sempre; gravata no pesçoco ou arma na mão.

A sensibilidade masculina foi feita para a mulher, para a intimidade de ambos. Ainda que literalmente percamos cabeças, só a elas confiamos os segredos de nossa força.

Sou do tempo em que cada coisa está bem no seu lugar; homem e mulher fisicamente constituídos para ser o que são e fazerem o que devem. Questionar a natureza não muda o fato de que qualquer força maior tem um propósito imprevisivel para nós, e vai cumpri-lo.

Somos alma também, Simone, mas nem todos nós estamos dispostos a quebrar o encanto que exalta o herói, o modelo protetor regido pela razão. O que me diferencia é o instinto. Sou primitivo demais para viver em bando.

===============

Obrigado Cris, por permitir mais uma vez que eu me expresse. Seu blog é leve, e eu venho sempre com essas reflexões de fundo de madrugada, um tanto indigestas para o café da manhã.

É sempre um carinho seu, que eu recebo com agrado, permitir mais um uivo. Bjo!
07/09/2011

Fátima Coli comentou:

Meu amigo.....
ter seus textos e sua sensibilidade aqui exposta é um grande presente pra mim....
a sua resposta agora iluminou a manhã da muitas Lobas.....
beijo e volte muito aqui.....sempre!
ps...Resita estava exultante com este teu texto inédito.....obrigada mais uma vez!
beijos aos dois
07/09/2011

Renata comentou:

Gostei demais desse texto, diferente do que venho lendo e conheço do trabalho do Valter.
Um pouco a cada dia. Assim vou desvendando os mistérios desse homem com quem tenho compartilhado os melhores dias da minha vida.
Obrigada pelo carinho de sempre, amiga!
08/09/2011

Paula Kasas comentou:

Oi Fatima.
Belissima escolha.
Bjus
Paula Kasas ( Villa Bella Acabamentos )
www.aulakasas.blogspot.com
12/09/2011

Escreva seu comentário
menor | maior

busy

Os mais lidos

  • Mulheres impactantes
    Final de semana passado fui a São Paulo e assisti o espetáculo Evita. Na volta parei para um ca...
  • Viciada em lingerie
    Sou viciada em lingerie. Escolher a lingerie, faz tão parte de meu dia como faz parte tomar t...
  • Top 10 Portugal
       Top 10 Portugal Como prometido um resumo dos lugares mais bacanas da minha passagem ...
  • Avental sujo de ovo
    Quando penso em minha mãe, me vem a letra da música, que as freiras do Colégio São José onde...
  • Á margem de nós
    Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e ...
  • Unhas, desisto, ser loira não desisto nunca!
    Voces lembram que eu coloquei unhas postiças? Pois é, fiquei exatamente uma semana com elas. ...
  • Look da balada
    O friozinho deu uma trégua, e a noite de ontém na Fatto, casa bárbara, idealizada com esmero p...

Últimos comentários

Você está aqui: O Que Eles Dizem A mulher mortal